Tabela Contribuição Sindical 2018
Veja a Pesquisa Sindarma sobre os principais temas do transporte hidroviário no AM
Seja bem-vindo ao portal do Sindarma
Conheça a história do sindicato marcada por conquistas

Noticias

Praticagem na Amazônia será tema de Sessão Especial na Aleam
Responsável por garantir a segurança da navegação no acesso aos portos em todo o mundo, a Praticagem, atividade essencial e privada, será tema de sessão especial na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), nesta terça-feira (12), às 12h, no Plenário Ruy Araújo. O tema do evento será "Praticagem do Brasil e sua atuação na Amazônia Legal".


O diretor-presidente do Conselho Nacional da Praticagem (Conapra), Gustavo Martins, e representantes da praticagem da região amazônica farão palestras durante a sessão, abordando as atividades desempenhadas pelos práticos, profissionais que contribuem para a movimentação do comércio exterior, importação e exportação, de todo o país.

De acordo com Martins, a presença do prático dentro dos navios de grande porte é substancial para garantir maior eficiência e segurança à navegação. Com formação náutica de excelência, o profissional tem como principal característica o conhecimento técnico da navegação em águas restritas, tais como: variações das correntes, ventos, marés e profundidades.


"Os práticos são profissionais habilitados pela Marinha que assessoram os comandantes na entrada e saída dos portos. Eles compõem a lista de profissionais que garantem o cumprimento da Lei 9.537/1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências", afirmou.


O Brasil conta com 22 Zonas de Praticagem (ZP) e a região amazônica responde por três delas. Em Manaus, as empresas PROA e Manaus Pilots atuam no limite da ZP 02 – que compõe a rota de Itacoatiara (AM) a Tabatinga (AM). A terceira ZP da região amazônica fica em Belém.


O diretor-presidente do Conapra comenta que a atividade é essencial à segurança, porque reduz muito a possibilidade de acidentes, que podem custar a vida de pessoas, provocar danos ao meio ambiente, aos próprios navios e instalações portuárias e, ainda, prejuízos de milhões de dólares em cargas.

Fonte: Aleam



Retornar Subir