Tabela Contribuição Sindical 2018
Veja a Pesquisa Sindarma sobre os principais temas do transporte hidroviário no AM
Seja bem-vindo ao portal do Sindarma
Conheça a história do sindicato marcada por conquistas

Noticias

Alunos de escola em Manaus criam App com horários de saídas de barcos

Um grupo de alunos de uma escola ribeirinha de Manaus desenvolveram um aplicativo de mobilidade urbana com foco no transporte fluvial. A iniciativa foi destaque no Programa Circuito da Ciência (PCE), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). O App "Transporte Fluvial de Manaus" é resultado do projeto "Mobilidade Urbana: Aplicativo para Dispositivos Móveis voltados ao Transporte Fluvial de Passageiros na Cidade de Manaus – Amazonas".


Os estudantes Aliny Lima da Silva, Lázaro da Cunha Vilhena, Leoanara Costa Farias e Washington da Cunha Ferreira, desenvolveram o aplicativo. Eles são alunos do 6º ao 9º ano da Escola Municipal Nossa Senhora das Graças, comunidade Nossa Senhora da Conceição, na Costa do Jatuarana, Rio Amazonas.


"Mais de 200 mil pessoas utilizam esse tipo transporte e não sabiam de onde saíam as embarcações. Nesse aplicativo, tem o nome do barco, o porto que vai sair, o dia, o horário, as escalas que vão ser feitas até o ponto final, quanto tempo, em média, dura a viagem e o telefone de contato da embarcação para quem quiser informações para comprar passagem", descreveu a estudante Aliny Lima.


A ideia é informar aos usuários sobre os horários, dias e locais de saída das embarcações da cidade. De acordo com os estudantes, eles realizaram pesquisas que informaram que não havia esse tipo de serviço nos portos de Manaus. Os alunos coletaram os dados em cada embarcação para adicionar ao aplicativo. O aplicativo para celulares e outros dispositivos móveis já está disponível para download no Google Play e Play Store com versões para Android e para Windows Phone.


O trabalho foi orientado pelo professor e coordenador Ademar Lima, com o apoio técnico de Isnan Carvalho e foi realizado por meio do Programa Ciência na Escola, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam).

Fonte: Semed




Retornar Subir